Appel à contribution : « Arquitectura, Urbanismo e Património da Época Moderna – Colóquio dedicado a José Eduardo Horta Correia », Lisbonne, Fundação Calouste Gulbenkian, 4-5 avril 2024, date limite le 30 octobre 2023

Colóquio dedicado a José Eduardo Horta Correia: Arquitectura, Urbanismo e Património da Época Moderna, 4-5 de abril, 2024, Fundação Calouste Gulbenkian

O Historiador da Arte José Eduardo Horta Correia é hoje Professor Emérito da Universidade do Algarve, onde ensina desde 1999 na Faculdade de Ciências Humanas e Sociais. Mas muito do seu magistério foi marcante num tempo anterior, na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Tendo iniciado o seu percurso académico ainda na Universidade de Coimbra, na década de 1970, associou-se desde cedo ao Departamento de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa, pela mão de José-Augusto França. Foi após o reconhecimento da Lisboa Pombalina como objecto de estudo da História da Arte, que Horta Correia realizou a sua magistral investigação de fundo sobre o urbanismo de Vila Real de Santo António.

J. E. Horta Correia destacou-se por uma docência empenhada e crítica, tendo formado gerações de Historiadores da Arte, da Arquitectura e do Urbanismo. Quem foi seu aluno aprendeu. Tendo como base a sua sólida formação em história da cultura e das ideias, a abordagem metodológica da arquitectura e do urbanismo no âmbito complexo da arte e da sua historicidade, atenta à sua operatividade no âmbito do património construído, permitiu que a influência do seu trabalho se fizesse sentir, literalmente, do Algarve ao Minho, mas também nos espaços com influência cultural portuguesa.

Horta Correia publicou estudos fundamentais, mas, talvez ainda de modo mais relevante, a sua investigação e pensamento foram partilhados nos incontáveis momentos formais e menos convencionais de leccionação e orientação dos seus estudantes, ou mesmo, discípulos. Os diversos trabalhos que orientou ao longo dos anos confirmam a sua opção por um conhecimento feito de investigação directa e original de temas que permaneciam em aberto na historiografia da arte.

A densidade das matérias e dos conteúdos que Horta Correia suscita focam-se sobretudo na época moderna (séculos XVI-XVIII), mas estende-se a outras cronologias. Ainda que centrando-se geograficamente em Portugal, não deixa de tocar os processos da expansão e colonização portuguesas, pelo que a sua proposta de uma “escola portuguesa de arquitectura e urbanismo”  merece uma renovada e ampliada  discussão científica, tão estruturada quanto aberta, para a qual se convocam todos os interessados.Propõe-se agregar a discussão em torno de cinco grupos temáticos:

  • Ensinar e aprender a História da Arte

Sem intuitos de tratar opções ou linhas pedagógicas, pretende-se aprofundar as questões relacionadas com os próprios objetos de estudo da História da Arte e os modos como se chega ao seu conhecimento, discussão e partilha.

  • Tempos breves e longos: transições, experimentações e continuidades

A criação das formas artísticas faz-se em contínua interacção com o meio geográfico social e cultural em que se insere. É feita de apropriações e rejeições, contaminações e experimentações, rupturas e continuidades, acumulações. Questionar os processos é fundamental, assim como os seus ritmos, sobretudo tendo em conta que os tempos da arte têm a sua própria autonomia, não se sucedem linearmente e que diferentes temporalidades convivem num mesmo tempo.

  • Chão e método em História da Arquitetura, da Engenharia Militar e do Urbanismo

A interpretação crítica do conceito da Arquitectura Portuguesa de Estilo Chão elaborado por George Kubler (1972), em especial se associada ao seminal ensaio metodológico A Forma do Tempo (1962) do mesmo historiador da arte americano, constitui ainda hoje um debate em aberto e fecundo que vai muito além do “estilo” proposto.

  • Comunidades e Regiões: História e Património

É parte integrante da obra de Horta Correia uma espécie de “militantismo regionalista”, defendendo que a arte é, por princípio, expressão privilegiada da especificidade cultural de cada região. Mas ao mesmo tempo que valoriza o estudo da história na sua escala mais próxima, é enfático ao denunciar que este tema não se compadece com amadorismos e reivindica da academia a atenção devida ao que é património cultural das comunidades, rompendo barreiras epistemológicas, como as inúteis dicotomias arte erudita/arte popular ou centro/periferia.

  • Além da  cidade: desenho dos territórios e consciência da paisagem

Os objectos artísticos situam-se no território umas vezes como reforço e continuidade, outras como ruptura, como aconteceu, por exemplo, com a fundação de Vila Real de Santo António. Raramente se cristalizam num tempo original, sendo objecto de sucessivas actualizações, inscritos  nas paisagens pré existentes mas alterando-as também, em termos físicos e simbólicos. Esta é uma das questões patrimoniais mais complexas que estimulam a história da arte a trabalho conjunto com os mais diversos domínios do saber.​

Submissão

Idiomas: Português (aceitam-se comunicações em espanhol, francês e inglês)

As propostas de comunicação devem ser submetidas até 30 de Outubro de 2023, através do endereço electrónico coloquiohortacorreia@gmail.com, constando de resumo até 250 palavras e breve nota curricular. Após o colóquio será seleccionado um conjunto de textos para publicação.

Comissão Organizadora​

  • Andreia Fidalgo – Centro de Investigação e Estudos de Sociologia, Universidade do Algarve | UAlg / CIES-IUL​
  • Margarida Tavares da Conceição – Instituto de História da Arte, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade NOVA de Lisboa / Laboratório Associado para a Investigação e Inovação em Património, Artes, Sustentabilidade e Território | IHA – NOVA FCSH / IN2PAST
  • Raquel Seixas – Instituto de História da Arte, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade NOVA de Lisboa / Laboratório Associado para a Investigação e Inovação em Património, Artes, Sustentabilidade e Território | IHA – NOVA FCSH / IN2PAST
  • ​Renata Araújo – Universidade do Algarve / Centro de Humanidades, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade NOVA de Lisboa | UAlg / CHAM- NOVA FCSH

Comissão Científica

  • Hélder Carita – Instituto de História da Arte, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade NOVA de Lisboa / Laboratório Associado para a Investigação e Inovação em Património, Artes, Sustentabilidade e Território | IHA – NOVA FCSH / IN2PAST
  • Joana Cunha Leal – Instituto de História da Arte, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade NOVA de Lisboa / Laboratório Associado para a Investigação e Inovação em Património, Artes, Sustentabilidade e Território | IHA – NOVA FCSH / IN2PAST
  • João Vieira Caldas – Centro para a Inovação em Território, Urbanismo e Arquitectura, Instituto Superior Técnico, Universidade de Lisboa  | CITUA – IST – UL
  • Jorge Correia – Laboratório de Paisagens, Património e Território,  Escola de Arquitectura, Arte e Design da Universidade do Minho / Laboratório Associado para a Investigação e Inovação em Património, Artes, Sustentabilidade e Território | Lab2PT – UMinho / IN2PAST
  • José Pessoa – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro | FAU-UFRJLeonor Ferrão – Departamento de Arquitectura da Universidade de Évora I DARQ – UE
  • Luís Filipe Oliveira – Universidade do Algarve / Instituto de Estudos Medievais, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade NOVA de Lisboa | UAlg / IEM- NOVA FCSH
  • Margarida Tavares da Conceição – Instituto de História da Arte, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade NOVA de Lisboa / Laboratório Associado para a Investigação e Inovação em Património, Artes, Sustentabilidade e Território | IHA – NOVA FCSH / IN2PAST
  • Maria de Lurdes Craveiro – Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra / Museu Nacional  de Machado Castro |  CEAACP – FLUC / MNMC –  DGPC
  • Marta Oliveira –  Centro de Estudos de Arquitectura e Urbanismo, Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto | CEAU – FAUP
  • Miguel Soromenho – Museu Nacional de Arte Antiga | MNAA Nuno Senos – Instituto de História da Arte, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade NOVA de Lisboa / Laboratório Associado para a Investigação e Inovação em Património, Artes, Sustentabilidade e Território | IHA – NOVA FCSH / IN2PAST
  • Raquel Henriques da Silva – Instituto de História da Arte, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade NOVA de Lisboa / Laboratório Associado para a Investigação e Inovação em Património, Artes, Sustentabilidade e Território | IHA – NOVA FCSH / IN2PAST
  • Renata Araújo – Universidade do Algarve / Centro de Humanidades, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade NOVA de Lisboa | UAlg/ CHAM- NOVA FCSH
  • Rogério Vieira de Almeida – Faculdade de Arquitectura, Universidade de Lisboa | FAUL
  • Walter Rossa – Departamento de Arquitetura e Cento de História da Sociedade e da Cultura, Universidade de Coimbra | DARQ/ CHSC – UC

Source



Citer ce billet
Florence Larcher (2023, 9 octobre). Appel à contribution : « Arquitectura, Urbanismo e Património da Época Moderna – Colóquio dedicado a José Eduardo Horta Correia », Lisbonne, Fundação Calouste Gulbenkian, 4-5 avril 2024, date limite le 30 octobre 2023. Centre d'Histoire de l'Art de la Renaissance. Consulté le 1 mars 2024, à l’adresse https://doi.org/10.58079/mpaw

Florence Larcher

Florence Larcher est doctorante à l'Université Paris 1 Panthéon-Sorbonne. Ses recherches sur les images de saint Roch en Italie de 1350 à 1680 l'amènent à étudier la peinture murale, la sérialité et l'itinérance des peintres.

Vous aimerez aussi...

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search